anuncie aqui
Lar um novo tempo

J√ļri popular de mulher acusada de matar filha de 1 ano a facadas em João Pessoa √© marcado

Eliane Nunes da Silva, de 27 anos, será julgada por homicídio qualificado e permanece presa preventivamente.

Por J1 em 06/05/2024 às 21:43:32

A Justiça da Paraíba definiu a data do júri popular de Eliane Nunes da Silva, de 27 anos, acusada de matar a filha de 1 ano a facadas, dentro do berço da beb√™, em João Pessoa. De acordo com o Ministério Público da Paraíba, o julgamento deve acontecer no dia 11 de junho, no Fórum Criminal de João Pessoa, localizado no Centro da capital.

A 2¬™ Vara do Tribunal do Júri da Capital decidiu no início de abril que a mulher acusada de matar a filha de 1 ano a facadas ser√° levada a júri popular. A decisão também pronunciou a acusada e a tornou ré pelo crime, além de definir que ela deve permanecer presa preventivamente.

A juíza Aylzia Fabiana Borges Carrilho, respons√°vel pela decisão, pronunciou a ré por homicídio qualificado, considerando que o crime foi cometido por motivo torpe, com emprego de meio cruel, de forma que dificultou a defesa da vítima. Além disso, também considerou que o crime foi cometido contra uma menor de 14 anos e pela própria mãe da vítima. De acordo com a decisão, a defesa não alegou causas para a diminuição da pena.

O j1 entrou em contato a defesa da acusada, mas não recebeu retorno até a publicação desta matéria. Na época em que o júri popular foi decidido, a defesa afirmou ao g1 que pretendia recorrer da decisão em relação a qualificadora de motivo torpe e pediria novamente que Eliane Nunes aguarde o julgamento em liberdade.

A autoria do crime

De acordo com os autos do processo, após receber uma mensagem do seu então companheiro, a acusada foi até o berço em que sua filha estava deitada e a feriu com mais de vinte golpes de faca na região do abdômen, costas e pescoço. Ainda com manchas de sangue nos braços, Eliane apresentou-se à autoridade policial, confessou o crime e confirmou as razões que a fizeram comet√™-lo.

Nas alegações finais, o Ministério Público da Paraíba pediu a pronúncia da ré, afirmando que existem provas da materialidade do fato e indícios suficientes de autoria. Na ocasião, a defesa de Eliane pediu que ela não fosse pronunciada, alegando insufici√™ncia de provas de autoria e pediu a exclusão da qualificadora do motivo torpe, além de requerer a liberdade provisória da acusada. O MPPB se manifestou contr√°rio ao pedido.

A juíza considerou que a materialidade do homicídio foi comprovada através do Laudo de Exame em Local de Morte Violenta e pelo Laudo Cadavérico da vítima.

Em relação aos indícios de autoria do crime, a justiça considerou provas colhidas no recebimento da denúncia, além de considerar os depoimentos prestados na instrução processual pelas testemunhas do homicídio, que também confirmaram que a acusada foi a autora do crime.

Relembre o caso

Família se despede de Júlia que foi morta pela própria mãe em João Pessoa

Eliane Nunes, de 27 anos, foi presa no dia 26 de outubro de 2023, após confessar que matou a própria filha, de 1 ano, para não perder a guarda da menina para o pai, em João Pessoa. O crime aconteceu no condomínio onde a suspeita mora, no bairro do Geisel.

A menina de 1 ano foi assassinada a facadas, dentro do berço, e teve ferimentos em v√°rias regiões do corpo, entre elas o abdômen, as costas e o pescoço.

Na ocasião, a ré Eliane Nunes da Silva, de 27 anos, se entregou à polícia e confessou o crime durante o interrogatório.

Ainda segundo o delegado, o crime aconteceu após uma discussão da mãe com o pai da beb√™, de quem estava em processo de separação.

"Ela alegou que hoje de manhã teve uma confusão com o marido, e que ele disse que queria se separar, que a relação não estava dando mais certo. Ele teria dito que a criança ia ficar com ela, mas ele ia procurar a Justiça para detalhar a guarda compartilhada, ajuda financeira e sentimental para ficar com a filha", contou o delegado.

Bruno explicou ainda que após a discussão, o pai foi trabalhar, e em seguida ela cometeu o crime

Fonte: Da Redação

Comunicar erro
Radio Plenitude de Deus

Coment√°rios

Banner governo