anuncie aqui
Lar um novo tempo

Entenda investigação que apura relação entre grupo criminoso e órgãos p√ļblicos de João Pessoa

De acordo com a PF, grupo criminoso indicou cargos para pelo menos tr√™s órgãos da prefeitura. Entre os alvos est√° a filha do prefeito C√≠cero Lucena, atual secret√°ria executiva de sa√ļde do munic√≠pio.

Por J1 em 04/05/2024 às 18:27:42

A Operação Mandare, realizada nesta sexta-feira (3), mirou uma possível relação entre um grupo criminoso com secretarias da Prefeitura de João Pessoa. De acordo com a Polícia Federal, o grupo estava articulando a obtenção de vantagens, como cargos públicos, em órgãos como as secretarias municipais de Saúde e de Direitos Humanos e Cidadania de João Pessoa e a Empresa de Limpeza Urbana (Emlur).

Entre os alvos da investigação est√° a filha do prefeito Cícero Lucena e secret√°ria executiva de Saúde, Janine Lucena. O prefeito afirmou que apoia a investigação da PF e prometeu rigor com servidores, que tenham relação comprovada com as irregularidades apontadas.

Entenda abaixo o que se sabe sobre a investigação da Operação Mandare até o momento.

Interfer√™ncia da facção em órgãos públicos

De acordo com a Polícia Federal, um integrante da facção criminosa conhecida como 'Nova Okaida', que tem posição de liderança na organização, identificado como Joss√™nio Silva dos Santos, articulou a obtenção de cargos em órgãos públicos em troca de conceder apoio à entrada de agentes municipais em comunidades controladas ou que sofrem influ√™ncia do crime organizado.

As informações que desdobraram na operação foram conseguidas pela polícia a partir da quebra do sigilo telefônico e telem√°tico do integrante da organização criminosa. O celular do suspeito foi apreendido em uma inspeção de rotina no local em que ele est√° preso, a Penitenci√°ria de Segurança M√°xima Doutor Romeu Gonçalves de Abrantes, conhecido como PB1.

No celular, havia imagens, vídeos, di√°logos e √°udios que, segundo a PF, indicam a pr√°tica de tr√°fico interestadual de drogas, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

Segundo a investigação, o preso responde a v√°rios processos, entre eles o de matar uma mulher que segurava um beb√™ nos braços, enquanto outras quatro crianças olhavam.


Alvos da operação

Janine Lucena, secret√°ria executiva de Saúde de João Pessoa e filha do prefeito Cícero Lucena — Foto: Sérgio Lucena/Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa/Arquivo

Janine Lucena, secret√°ria executiva de Saúde de João Pessoa e filha do prefeito Cícero Lucena — Foto: Sérgio Lucena/Secretaria Municipal de Saúde de João Pessoa/Arquivo

Ao todo, foram cumpridos 11 mandados de busca e apreensão em João Pessoa, Conde, Campina Grande, Cabedelo e Rio de Janeiro. Entre os locais alvos dos mandados estava incluído as celas do presídio de segurança m√°xima PB1, secretarias de Saúde e Direitos Humanos e Cidadania e Emlur, tr√™s em Cabedelo, dois em Rio Tinto, uma em Conde e uma em Campina Grande, na casa de uma mulher que é apontada como a operadora financeira do grupo criminoso.

Mandados de prisão também foram cumpridos durante a operação da PF. Ao todo, foram sete mandados de prisão preventiva. Contas banc√°rias também foram bloqueadas pelo órgão. A Polícia Federal não revelou os nomes investigados na operação.

Um dos alvos confirmados é a secret√°ria executiva de Saúde de João Pessoa, Janine Lucena, que é filha do prefeito Cícero Lucena. Dois dos mandados e busca e apreensão na operação tinham Janine como foco.

Uma das ordens foi cumprida no gabinete de Janine, na Secretaria Municipal de Saúde; e a outra foi na resid√™ncia dela, localizada no bairro de Intermares, em Cabedelo.

Outro alvo da PF foi a ex-servidora da Empresa de Limpeza Urbana de João Pessoa (Emlur), Aline da Silva dos Santos. De acordo com a direção do órgão municipal, a investigada não trabalha mais no local e responde a processo administrativo.

A Polícia Federal também cumpriu mandados na Secretaria de Direitos Humanos e na casa da servidora da pasta, Patrícia Silva dos Santos.

Prefeito diz que apoia investigação

Centro Administrativo Municipal de João Pessoa — Foto: Secom-JP

Centro Administrativo Municipal de João Pessoa — Foto: Secom-JP

Em nota, a prefeitura de João Pessoa afirmou que se colocou à disposição para cooperar com as investigações da Polícia Federal. Além disso, o órgão disse também que "condena veementemente qualquer tipo de ato ilícito". Também foi informado que foi determinado procedimento administrativo para apurar a responsabilidade dos servidores citados na investigação.

O prefeito da capital, Cícero Lucena, também comentou a operação em entrevista . Sobre a investigação contra a filha Janine Lucena , ele disse o mandado foi expedido por existir uma ligação de um presídio para o telefone da filha dele. "Ela é uma mulher pública, se voc√™ ligar ela lhe atende. Mais do que isso, não existe nada".

O prefeito também determinou a Procuradoria-geral do Municipal que abra um procedimento administrativo para apurar a responsabilidade dos servidores citados na investigação.

Fonte: Da Redação

Comunicar erro
Radio Plenitude de Deus

Coment√°rios

Banner governo